sábado, 11 de junho de 2016

O poeta Waly Salomão vendo a vida copiar a arte

O poeta Waly Salomão vendo a vida copiar a arte

O advogado, compositor  e poeta baiano Waly Dias Salomão (1943-2003), uma das figuras mais fecundas e heterogêneas da vanguarda brasileira, explica em forma de poema por que “A Vida é Cópia da Arte”.
A VIDA É CÓPIA DA ARTEWaly Salomão
Areia
Pedra
Ancinho
Jardins de Kioto
Alucinado pelo destemor
De morrer antes
De ver diagramado este poema
Ou eu trago Horácio pra cá
Pra Macaé-de-Cima
Ou é imperativo traí-lo
E ao preceito latino de coisa alguma admirar
Sapo
Vaga-lume
Urutau
Estrela
Nestes ermos cravar as tendas de Omar
Ler poesia como se mirasse uma flor de lótus
Em botão
Entreabrindo-se
Aberta
Anacreonte
Fragmentos de Safo
Hinos de Hörderlin
Odes de Reis
El jardín de senderos que se bifurcan
Jardim de Epicuro
Éden
Agulhas imantadas & frutas frescas  para a vida diária
                (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

Até que enfim Janot pede que inquérito de Lula seja julgado pelo juiz Moro

Moro só está esperando a chegada dos inquéritos contra Lula
Deu na Veja
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), para que o pedido de denúnciacontra o ex-presidente Lula seja remetido ao juiz federal Sergio Moro, na primeira instância. Lula foi denunciado no início de maio por indícios de que atuou para atrapalhar as investigações da Lava Jato.
O processo também inclui o ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), seu assessor, Diogo Ferreira, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai, seu filho, Maurício Bumlai, e o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual. Na denúncia, Delcídio era a única pessoa com foro privilegiado e segurava todos os demais no STF. Como ele foi cassado, perdeu a prerrogativa.
A remessa dos autos terá, agora, que ser autorizada pelo ministro Teori Zavascki. O caso já estava sob sua apreciação antes mesmo da formulação do pedido de Janot. Não há prazo, no entanto, para que o ministro decida sobre o assunto. A denúncia contra o ex-presidente foi feita no inquérito que investiga se houve uma trama para comprar o silêncio e evitar a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
OBSTRUÇÃO DA JUSTIÇA – Lula foi apontado por Delcídio como o mandante do pagamento de mesada a Cerveró para evitar que ele falasse sobre um esquema de compras de sondas superfaturadas pela Petrobras envolvendo Bumlai, amigo pessoal do ex-presidente. A tentativa de comprar o silêncio de Cerveró, exposta por um grampo feito pelo filho do ex-diretor da estatal, resultou na prisão de Delcídio e na sua posterior cassação pelo Senado.
Os demais inquéritos contra Lula e Delcídio no Supremo envolvem pessoas com foro, o que faz com que os processos permaneçam nas mãos de Teori. O ex-presidente, por exemplo, também é alvo de um pedido de inquérito ao lado da presidente afastada Dilma Rousseff por tentativa de obstruir a Justiça.
Janot também pediu a Teori para incluir Lula no inquérito mãe da Operação Lava Jato conhecido como “quadrilhão”. Nesse processo, há diversos políticos com foro, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Conforme anunciamos aqui na Tribuna da Internet, era apenas uma questão de tempo e a Procuradoria-Geral da República acabaria destravando o inquérito. Mas ainda falta liberar os outros inquéritos contra Lula, que é submetido a diversas investigações. Se Lula já tinha motivos para estar deprimido, agora a situação piorou, porque será julgado pelo juiz Moro na República de Curitiba, que é uma espécie de desmembramento do Brasil, no qual a Justiça funciona(C.N.)

Odebrecht confessa erros e afirma que a fonte de corrupção secou

Newton de Souza diz que a Odebrecht agora faz o que é certo
Pedro do Coutto
Em carta assinada para cerca de 100 mil funcionários da empresa, o atual presidente faz uma autocrítica do comportamento da empresa nos últimos anos e acentua que o grupo falhou. Newton de Souza substitui Marcelo Odebrecht, envolvido na Operação Lava-Jato e cumprindo pena aplicada pelo juiz Sérgio Moro.
“Falhamos – assinala Newton de Souza – por termos acatado convívio com práticas incompatíveis com os padrões de conformidade e governança empresarial nas relações entre os setores públicos e privado”. Após ressaltar que “fomos complacentes”, o atual executivo da empresa afirma que ela está evoluindo nas tentativas com as autoridades brasileiras e estrangeiras, buscando fazer o que é certo”.
DELAÇÃO PREMIADA – Algumas certezas emergem do texto publicado. A primeira é a de que Marcelo Odebrecht avançará na delação premiada que começou a ser articulada com a Procuradoria Geral da República. Caso contrário, seu substituto não teria feitas as afirmações que fez.
Em segundo lugar, para recorrer ao título do belo samba de Monsueto, década de 50, sinaliza fortemente que secou a fonte das doações financeiras para políticos e partidos.
O terceiro reflexo traduz-se no impulso que a principal empreiteira do Brasil transmite a Andrade Gutierrez, Mendes Junior, OAS, UTC, Engevix, para relacionar apenas essas, para que sigam o mesmo caminho e fechem também suas torneiras.
Mas ainda a este elenco pode-se acrescentar dezenas de personagens: os políticos que receberam doações. Pois todos sabemos que existem doações e doações. Uma coisa é se destinar uma doação a uma entidade filantrópica. Outra é a candidatos e legendas partidárias. Bastaria confrontar as diferenças de valores e levar-se em conta que, no primeiro caso, os recursos são dedutíveis do Imposto de Renda até determinada escala. No segundo, a lei não permitia dedução alguma.
DOAÇÕES ILEGAIS – Disse que a lei eleitoral não permitia porque apesar disso, as famosas doações se verificavam. Agora, a lei proíbe taxativamente quaisquer doações empresariais para campanhas políticas e eleitorais. O STF, inclusive, manteve a proibição. O empresário pode doar, mas como pessoa física. E até o limite de 10% de sua renda declarada.
Quem estará disposto a declarar a doação a partir de agora?
Aliás, é uma farsa falar-se em doação. Nunca houve doação alguma. Houve isso sim, troca de favores, ou aquisição de consciências e troca de interessas. Todos sabem muito bem disso. Não vale sequer a fantasia de que as doações foram registradas na Justiça Eleitoral. Este aspecto, envolvido numa névoa de legalidade, de fato oculta a clássica realidade. Pois como uma empresa pode fazer doação financeira para um Partido que se apresenta como Comunista? Um contrassenso, uma contradição absoluta.
Já que um dos lados defende a iniciativa privada, enquanto o outro a estatização da economia. Um choque ideológico total destacado através da história desde a revolução russa de 1917.
UMA NOVA ALVORADA – Mas agora a fonte secou. A fonte só, não. As fontes, pois enquanto uma abastecia campanhas, a outra aproveitava-se das falsas dádivas. Inclusive para os marqueteiros colocados nos vértices do triângulo que conduziu a sequência dos fatos para a enseada da Operação Lava-Jato.
A carta circular de Newton de Souza assegurou um lugar para a Odebrecht na história do Brasil. Pode-se transformar numa nova alvorada em Brasília. E, pelo menos, um meio crepúsculo para a corrupção. Não vai desaparecer, nem vai, claro, descer a zero. Mas vai diminuir sensivelmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário