sábado, 2 de abril de 2016

DILMA, FORA JÁ! JÁ NAQUELA ÉPOCA...

Dilma mente de forma inacreditável em pronunciamento e ofende a inteligência do espectador

FOTO2-340905-2015-02-20-18-17
É um fato que moralmente o governo petista não tem mais nada a dizer. Melhor seria se Dilma ficasse calada. O único pronunciamento que o governo pode fazer no momento é “nada a declarar”. Mesmo assim, a presidente se aventurou em um pronunciamento bizarro.
Foram quase 20 minutos de nulidades, enrolações  e mentiras vergonhosas que vez por outra levavam o espectador ao clima da campanha eleitoral, repleta de falsidades e distorções em estilo Goebbels. Evidentemente, este é um pronunciamento com a marca João Santana. O detalhe é que ela não está em período eleitoral, mas durante um governo decadente e desmoralizado.
A lenga lenga chegou a incluir a declaração de que “os fundamentos” (seja lá que diabos ela queira dizer com isso) continuam sólidos, “muito diferente daquelas crises do passado que quebravam e paralisavam o país”.
Acho que teremos racionamento de óleo de peroba, pois foi exatamente o governo Dilma que em dezembro de 2014 teve que aprovar a vergonhosa Lei do Calote, para criar a peça bizarra de superávit negativo. Tudo para que ela não fosse punida por crime de responsabilidade, gastando muito mais do que podia. Ou seja, ela quebrou o país.
Segundo ela, tudo está sendo feito para “proteger as economias” do povo. Mas o detalhe é que o governo dela deliberadamente quebrou o país e está levando a uma inflação de quase 8% nos últimos 12 meses acumulados.
Sem se corar, acredite se quiser, ela disse: “estamos na segunda etapa do combate à mais grave crise internacional desde a grande depressão de 1929”.
Mentira. O dólar está alto por que o Brasil está quebrado, e os Estados Unidos estão indo muito bem, obrigado. Conforme o Globo, nos Estados Unidos o “desemprego em fevereiro caiu de 5,7% para 5,5% nos Estados Unidos, menor taxa desde 2008. Foram criados no mês quase 300 mil empregos”. Quer dizer: ela não pára de mentir. Parece doença.
Não existe isso de “crise mundial” que justifique tamanho afundamento de nossa economia. Na América Latina, só estamos melhor que Argentina e Venezuela. Mas isso não significa absolutamente nada em termos de mérito.
Outro momento tragicômico foi este: “Entre muitos efeitos graves, esta seca tem trazido aumentos temporários no custo da energia e de alguns alimentos.”
Mas não foi essa coisa que atende por nome de Dilma que disse durante a campanha que o problema da seca era irrelevante, apenas para imputar a Geraldo Alckmin a crise da água em São Paulo? Eles vão mudando o discurso não pela observação da realidade, mas por conveniência.
Certo momento, ela disse: “Você tem todo direito de se irritar e de se preocupar”. Se o povo começar a perceber a quantidade de mentiras só neste pronunciamento, ela nem viu ainda o que é irritação de verdade.
Aliás, se ela diz que a “situação é passageira”, ela está mentindo, pois os argentinos e venezuelanos estão sentindo os efeitos da política bolivariana de saqueamento estatal há anos. A coisa piora a cada dia. A única forma de melhorar é trocando o governo. Caso contrário, é assistir a desgraça.
Outra mentira: “enquanto nos outros países havia demissões em massa, nós aqui preservamos e aumentamos o emprego e o salário”. Só que a taxa de desemprego está aumentando, o salário está perdendo cada vez mais seu poder de compra (diante da inflação descontrolada) e, pior, os direitos trabalhistas foram afetados, ao contrário do que Dilma havia dito em campanha.
Daí ela tem que apelar ao raciocínio místico: “Se conseguimos essas vitórias antes, temos tudo para conseguir novas vitórias outra vez”. A diferença é que antes havia o boom das commodities. Isso acabou. Agora para arrumar o Brasil ela vai ter que começar a trabalhar. Coisa que ninguém no governo dela sabe sequer o que significa.
Vamos ao resumo da baixaria desta coisa:
Primeiro: o esforço fiscal não é um fim em si mesmo. É apenas a travessia para um tempo melhor, que vai chegar rápido e de forma ainda mais duradoura.
O golpe fiscal é uma forma de jogar para o povo as responsabilidades de Dilma e do PT. Não foi o povo que praticou crime de responsabilidade e causou o saqueamento do estado. Foi o PT.
Segundo: não vamos trair nossos compromissos com os trabalhadores e com a classe média, nem deixar que desapareçam suas conquistas e seus direitos.
Acho que Dilma não tem mais moral em falar em “compromissos com os trabalhadores” e sequer em “conquistas e direitos”, e até mesmo partidos de extrema esquerda, aliados do PT, já estão reclamando disso.
Terceiro: não estamos tomando estas medidas para voltarmos a ser iguais ao que já fomos. Mas, sim, para sermos muito melhores.
Calma lá. Que história é essa de “estamos tomando estas medidas”? Quem disse que o Congresso aprovou? Alias, depois do golpe jurídico livrando petistas da Lava Jato, não me parece que o governo deva contar com o ovo lá naquele lugar.
Quarto: durante o tempo que elas durarem, o país não vai parar. Ao contrário, vamos continuar trabalhando, produzindo, investindo e melhorando.
Nada disso, Dilma. E você que tem que começar a trabalhar. Começando por deixar de lado o golpe fiscal, e reduzindo os cargos comissionados (hoje em 30.000) a no máximo 3.000 cargos. Eliminar a Lei Rouanet também já seria de muito bom tom. Acabar com a Bolsa Empresário para os amigos do rei também. Cortar a publicidade institucional do governo, levando-a a zero. Reduzir o número de ministérios pela metade. Enfim, há muitos cortes a serem feitos antes de um golpe fiscal.
Está nas mãos do Congresso barrar este golpe que Dilma tentou, de forma patética, defender em rede racional…
Para concluir, mais uma mentira:
Vou sancionar, amanhã, a Lei do Feminicídio que transforma em crime hediondo, o assassinato de mulheres decorrente de violência doméstica ou de discriminação de gênero.
Ela só escondeu a informação de que não há dedo de Dilma nessa Lei do Feminicídio, que veio do Senado.
Será que foi de bom tom ela entrar em um pronunciamento mentindo como se estivesse em sua macabra campanha eleitoral, roubando méritos dos outros, escondendo informações, fantasiando a realidade da economia mundial e levando estelionato eleitoral às últimas consequências?
É claro que ela deu um tiro no próprio pé e ajudou a solidificar ainda mais a hipótese de impeachment.

Nenhum comentário:

Postar um comentário