quinta-feira, 24 de março de 2016

Garoto de sete anos pede ajuda a policia para salvar a mãe

Um menino de sete anos foi até a delegacia de polícia de Eunápolis, por volta das 23h30 desta quarta-feira (23), para pedir socorro para a sua mãe. A criança informou aos policiais que seu pai estava agredindo a sua mãe. Quando o menino chegou à delegacia estava completamente sujo de sangue. De acordo com os policiais de plantão, foi uma cena muito chocante. Os agentes se deslocaram até o local indicado pelo menino e encontraram uma dona de casa, de 38 anos, com uma lesão na cabeça. No local, uma casa na Rua das Garças, no bairro Santa Lúcia, os policiais encontraram também o ajudante de pedreiro Ailton Neris Quaresma, de 39 anos, apontado como autor das agressões. De acordo com a vítima, Ailton a agrediu na cabeça com uma mão-de-pilão. A vítima foi encaminhada ao hospital Regional, onde passou por uma pequena cirurgia. De acordo com a polícia, seu estado de saúde inspira cuidados, mas não há risco de morte. O acusado foi autuado em flagrante pelo delegado plantonista Alberto Passos de Melo, por agressão doméstica (Lei Maria da Penha). A criança está sob os cuidados de um vizinho que a acompanhou até a delegacia. (Radar64)

Justiça nega direito de resposta a Lula no 'Jornal Nacional'

A Justiça negou a Lula pedido de direito de resposta contra o "Jornal Nacional". O ex-presidente entrou com uma ação no dia 14 solicitando espaço de nove minutos para contestar reportagem de abertura do "JN" em que foi noticiada a denúncia apresentada por três promotores do Ministério Público de São Paulo contra o petista. Segundo os advogados de Lula, a emissora negou o "outro lado" a ele. A emissora nega e afirma que divulgou na íntegra nota do Instituto Lula e dos defensores dele sobre o tema. Na decisão, o juiz Fernando de Oliveira Domingues Ladeira, de São Bernardo do Campo, diz que "a afirmação do autor [Lula] de que não lhe foi dada a oportunidade de manifestar-se antes da matéria ir ao ar não autoriza o direito de resposta". Na opinião do magistrado, "o contraditório prévio em veículos de imprensa não é ditame jurídico, e sim preceito ético, confere credibilidade à matéria, melhor assegura a compreensão dos fatos, mas sua não observância não gera automática viabilidade de intromissão do Estado na imprensa, sob pena de odiosa prática indireta de censura". Na decisão, o juiz afirmou ainda que "a atuação do veículo de comunicação deu-se estritamente dentro de seu direito-dever de informar, agiu, portanto, agasalhado pela garantia de liberdade de expressão que lhe é assegurada constitucionalmente". Disse também que, "ainda que seja compreensível a revolta daquele que se reputa inocente ao ver seu nome envolvido em denúncia por suposta prática de crimes graves divulgado em rede nacional, isto, por si, não gera a responsabilidade do mensageiro, da imprensa, mas eventualmente daquele que agiu em desacordo com seus deveres profissionais, se for o caso, jamais da imprensa e dos jornalistas". A decisão não é definitiva já que ainda cabe recurso a outros tribunais. (Mônica Bergamo)

Homicídio tentado no Sarinha

Rafael Silva Pereira, 17 anos foi baleado dentro de um supermercado na rua Campo Verde, bairro Sarinha, na tarde desta quinta feira (24). Informações dão conta que a vítima trabalha como repositor no estabelecimento comercial. "Eu sabia que eles iam voltar", disse o baleado. Segundo várias testemunhas, dois homens em uma moto chegaram atirando. O Samu 192 e a PM foram acionados e o ferido, que foi atingido na parte posterior da coxa, encaminhado para o Hospital de Base. A motivação e os autores ainda são desconhecidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário