sábado, 19 de dezembro de 2015

Natal, nostalgias, tristezas e alegrias!

Natal, nostalgias, tristezas e alegrias!
Antonio Nunes de Souza*

Queiramos ou não, esses três sentimentos são, basicamente, fortes marcas em todas nossas vidas, que, nessa festividade, talvez a maior do mundo, batam fortes em nossas memorias, corações e sorrisos! Natal, merecidamente, o maior acontecimento religioso, lembrando a chegada a terra do menino Jesus. O filho de Deus, que desceu somente para trazer aos homens a palavra de Deus!

Não está, de modo algum, dentro das minhas características de escritor, utilizar-me dessa vertente um pouco biográfica, para narrar fatos. Sou e reconheço, um criador de loucas “estórias”, esforçando-me para fazer rir e, ao mesmo tempo, enviar mensagens, sub-repticiamente, sobre o assunto abordado!

Porém, como sempre temos um dia que fraquejamos, ou tomamos forças suficientes, achamos por bem expressar todos os meus sentimentos para nossos queridos leitores, mostrando nossa visão, peculiar e detalhada desse dia, verdadeiramente, muito especial!

NOSTALGIA: Quem, por mais distraído ou desmemoriado que seja, não se lembra que, na sua mais tenra infância, com uma fé das maiores, fazia seus pedidos para Papai Noel, muitas vezes até de coisas que não era possível, financeiramente, para “seus pais”, mas, esses quando viam os brilhantes olhos e as esperanças dos seus queridos filhos, se sacrificavam para torna-los alegres e, logicamente, ver a felicidade estampada nos rostos infantis em função do presente solicitado e recebido. Passados alguns anos, com a descoberta do verdadeiro “Papai Noel”, você sente a decepção de sua fantasia, mas percebe quanto seus pais foram bons, generosos e carinhosos naquele período de sua vida! Com o caminhar dos anos, você um dia passou a ser o bom velhinho para seus filhos e, certamente, relembrar sua infância e procurar fazer o que, meigamente, fizeram com você por muitos anos no passado já distante! Desta feita, já prevendo tudo que aconteceu com você, será em breve, repetido pelos seus queridos filhos!

TRISTEZA: Como podemos esquecer daqueles que preencheram nossas vidas, nos acompanharam, orientaram, deram carinhos e conselhos, ajudaram a forjar nossos hábitos, costumes e comportamentos? Jamais e de forma alguma! Esses nossos queridos pais, parentes, bons amigos, filhos levados por fatalidades. Enfim, uma gama de pessoas amadas e que nos amavam sem sobras de dúvidas que, por ironia do destino ou atendendo aos apelos das idades, deixaram uma falta de presença, porém, uma marca eternamente viva em nossas mentes. Foram-se e, pesarosamente, no Natal, principalmente, nos lembramos com a maior carga de afetividade e saudade!

ALEGRIA: Quem, mesmo com as lembranças nostálgicas e as tristezas, pode resistir a uma festividade onde todos estão sorrindo, fazendo esforços para ver alguém feliz, as cidades iluminadas, presépios, enfeites e músicas sentimentais, algumas ou muitas vezes, ganhando ou dando presentes e, sem esquecer, comemorando o aniversário do nosso amado Jesus de Nazaré? Tenho certeza que ninguém!

Poderia escrever muito mais, entrando em maiores detalhes, porém, prefiro simplificar, passando apenas o básico, uma vez que, “para os bons entendedores, meia palavra basta!”
Um Feliz Natal para todos, com abraços fraternos e afetivos, desejando que, não acreditando mais no “bom velhinho”, possa ele aparecer, inesperadamente, dando-lhe tudo que você merece!

Não custa nada colocar os sapatinhos na janela! Rs rs rs


*Escritor – Membro da Academia Grapiúna de Letras – AGRAL – antoniodaagral26@hotmail.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário