sábado, 26 de dezembro de 2015

Homologado tombamento da Escola de Medicina da Bahia

O Brasil viu a primeira escola de medicina surgir, em 1808, entre igrejas, conventos e casarões coloniais. O prédio da antiga Faculdade de Medicina da Bahia, situado no Terreiro de Jesus, foi o construído em 1905, após o incêndio do anterior, o Colégio dos Jesuítas, pelo engenheiro Teodoro Sampaio segundo projeto do arquiteto Victor Dubugras. Sua importância histórica foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPHAN), órgão vinculado ao Ministério da Cultura, que aprovou o tombamento do edifício. A homologação do tombamento, assinada pelo ministro Juca Ferreira, foi publicada nesta quinta-feira, 24, no Diário Oficial da União.

O tombamento reconhece o valor histórico do edifício e a história do ensino da medicina no país, além de seu valor artístico e arquitetônico. A proteção do bem significa impedir que ele desapareça, mantendo-o preservado para futuras gerações. A partir dessa homologação, o prédio passará a ser resguardado pelo IPHAN e qualquer intervenção deverá ser comunicada ao órgão.

O atual edifício foi construído em 1905 após o incêndio do prédio anterior, localizado no mesmo local, pelo engenheiro Teodoro Sampaio e segundo projeto do arquiteto Victor Dubugras. Nos anos 2000, o edifício passou por extensas obras de restauração, passando a abrigar o Memorial da Medicina da Faculdade de Medicina da Bahia. Em 2004, voltou a abrigar a Faculdade de Medicina e, atualmente, sedia a secretaria geral da FMB, bem como os programas de extensão.

O prédio está localizado no Centro Histórico de Salvador, reconhecido em 1985 como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura).

Sobre os construtores

O arquiteto francês Victor Dubugras é considerado um dos precursores da arquitetura moderna na América Latina. Dubugras morou em Buenos Aires, na Argentina, e em 1890, quando chegou a São Paulo, até a década de 1930, quando encerrou a carreira, o arquiteto acompanhou os movimentos do ecletismo, art nouveau, neocolonial e modernismo. No prédio da Faculdade de Medicina da Bahia, Dubugras explorou a arquitetura clássica, de forma a estabelecer uma relação com o corpo remanescente do antigo Colégio dos Jesuítas, local que foi queimado e que deu origem ao espaço do prédio atual.

O engenheiro responsável pela obra, o baiano Theodoro Sampaio, nasceu escravo e foi alforriado no batismo, pelo seu pai. Sampaio foi geólogo, engenheiro civil, historiador, político, cartógrafo e urbanista. O engenheiro é considerado um importante personagem para o ciclo desenvolvimentista do Brasil da segunda metade do século 19 e início do século 20.

Nenhum comentário:

Postar um comentário