segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Abandono do antigo Hospital Santa Isabel intensifica problemas sociais e de saúde em Ilhéus


O descaso dos proprietários com o espaço culminou na concentração de cidadãos em situação de rua, usuários de drogas, marginais e vândalos que fazem as necessidades fisiológicas no local, além da proliferação de animais peçonhentos e do descarte irregular de lixo, possibilitando a proliferação de doenças.
 O estado de abandono da área do antigo Hospital Santa Isabel, situado na Avenida Oswaldo Cruz, no Bairro Boa Vista, em Ilhéus, intensifica problemas sociais e de saúde, gerando constantes preocupações, constrangimentos e mal estar aos moradores e profissionais do entorno. Segundo denúncias de cidadãos que não quiseram se identificar, as péssimas condições físicas do local permite a proliferação de animais peçonhentos como ratos, baratas, insetos, o aedes aegypti (mosquito transmissor da dengue), tornando-se foco de doenças. Ainda, o acumulo de lixo descartado irregularmente pela própria população, amplia o dano ao ambiente, promovendo odores e a intensificação de enfermidades.

O estado de abandono do prédio, há cerca de nove anos, ocasionou a concentração de cidadãos em situação de rua, usuários de drogas, marginais e vândalos que fazem as necessidades fisiológicas no espaço da antiga unidade de saúde.  “A gente trabalha assustado, à noite, o local é deserto, virou ponto de assalto, consumo de drogas, e esconderijo para marginais”, atesta um taxista que atua nas proximidades.
Segundo informação dos moradores, houve o início de intervenções no prédio, inclusive foram retirados o telhado e a calha. Mas como a obra foi interrompida, o fato trouxe ainda mais danos, provocando infiltrações em imóveis do entorno, por conta do escoamento da água pluvial. Em uma casa ao lado da propriedade, por exemplo, é possível perceber estragos no forro do teto e assoalho de madeira, as paredes estão mofadas, apresentando sinais de rachaduras, e até um quarto da residência foi interditado por apresentar alta umidade, o que começou a provocar doenças nos moradores, além do risco de desabamento.    
Desapropriação – Com a preocupação de resolver a situação e recuperar a paisagem urbana, o prefeito Jabes Ribeiro, assinou, no dia 13 de agosto, o decreto nº 44/2014, tornando a área de utilidade pública com fins de desapropriação. De acordo com o decreto, a Secretaria de Administração, com o apoio da Procuradoria Geral do Município (PGM), fica autorizada a promover os atos administrativos, judiciais e extrajudiciais cabíveis necessários com vistas ao cumprimento do ato.
A finalidade é instalar no imóvel a sede da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) e outros departamentos do setor que atualmente funcionam em espaços alugados.  A iniciativa, segundo cálculos de técnicos da Prefeitura, pode gerar uma economia de aproximadamente R$ 65 mil mensais, valor gasto pela Sesau com a locação de imóveis.
DA - Comunicação Social – Secom-Ilhéus – 01.09.14

Nenhum comentário:

Postar um comentário