Postagem em destaque

AGU PEDE REJEIÇÃO DE AÇÃO POR DANO MORAL MOVIDA POR LULA

OPERAÇÃO LAVA JATO AGU PEDE REJEIÇÃO DE AÇÃO POR DANO MORAL MOVIDA POR LULA CONTRA DELEGADO DA PF NA AÇÃO O EX-PRESIDENTE PEDE R$ 100 ...

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Marcelo Guimarães é denunciado por estelionato e lavagem de dinheiro


 
Além de Marcelo Guimarães Filho, também figuram no processo o gestor de futebol tricolor Paulo Angioni, o coordenador da divisão de base do clube Newton Mota e o delegado André Garcia, sócio-proprietário da empresa Calcio.
 
O presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho, virou alvo de uma denúncia feita por dois advogados, acusado de de estelionato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. A denúncia foi endereçada ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e também cita o gestor de futebol Paulo Angioni, o coordenador da divisão de base Newton Mota e o delegado André Garcia, sócio-proprietário da empresa Calcio.

Marcelo Guimarães Filho afirmou, por meio da assessoria do Bahia, que não tem o que pronunciar a respeito da denúncia, que, de acordo com ele, é o direito de qualquer cidadão. O presidente tricolor afirmou ainda que está tranquilo com relação as acusações levantadas e que clube está a disposição para qualquer esclarecimento que a Justiça solicitar.
 
A dupla de advogados pede que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, investigue os denunciados e estabeleça um inquérito civil para apurar supostos crimes envolvendo a atuação da Calcio no clube. Os dois utilizam reportagens da imprensa local e nacional para alimentar as acusações.
 
- No Esporte Clube Bahia não existem eleições diretas e as regras para associação são nebulosas e tratadas como uma extensão do patrimônio da já abastada Família Guimarães, há quinze anos no comando do clube e envolvida em diversas investigações na Polícia Federal, a exemplo da Operação Jaleco Branco.
 
A gestão do Presidente do Esporte Clube Bahia se reveste das mais diversas formas de obscurantismo, mas sua ofensa não fica restrita apenas a não participação dos torcedores no processo político interno. Recentemente, a imprensa baiana trouxe a público uma verdadeira rede de interesses financeiros envolvendo jogadores da base do Esporte Clube Bahia através de uma empresa privada: a Calcio – diz o documento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário