Postagem em destaque

Ceplac assinala passagem dos 60 Anos com emoção e compromisso

  A cerimônia que assinalou a passagem dos 60 anos de criação da CEPLAC/MAPA, realizada nesta segunda-feira, 20 de fevereiro no audi...

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Puxada do Mastro: fé, tradição e cultura Cabocla de Olivença

Baixe Olivença 2 - Foto Cristiano Cruz.jpg (1491,3 KB)Como acontece todos os anos e já faz parte da tradição, foi realizado no último domingo, dia 13 de janeiro, a festa religiosa da Puxada do Mastro de São Sebastião, um evento que mistura, com harmonia, o sacro e o profano, numa tradição dos que ainda se chamam de Caboclos de Olivença. A festividade teve sua origem no início do século XVIII, reunindo, na época, elementos da espiritualidade medieval religiosidade cabocla, caracterizada pelo sincretismo que a religiosidade católica proporciona, tendo sido objeto de estudos históricos e folclóricas nas ultimas décadas.


A festa secular, contudo, ainda guarda segredos simbólicos que remontam o período medieval. Para o antropólogo Edward Luz. doutorando da Universidade de Brasília. a puxada do mastro é uma festa cabocla que revela nitidamente os elementos da confluência de culturas e comovidos espécies de penitência em que se clama aos santos a proteção contra todos os males que afligem a humanidade.

De acordo com o antropólogo, o principal símbolo da festividade, o mastro, utilizado pela Igreja Católica para sustentar bandeiras de santos em frente aos templos, é uma das mais bem sucedidas adaptações sincréticas da Igreja Católica que congrega elementos simbólicos pagãos de consagração do espaço de sociedades arcaicas como Egito, tribos romanas e gregas misturados com traços culturais ameríndios, conformando assim uma verdadeira festividade sincrética. Em sua versão sulbaiana a festa é mantida até hoje pelos descendentes de índios, negros e brancos, todos mestiçados pelo processo de miscigenação e que há séculos são chamados e se reconhecem como Caboclos de Olivença, que com fé e orgulho, transmitem às novas gerações seus costumes e crenças.


Para o professor de antropologia, Edward Luz, existem evidencias mais do que suficientes para atestar que a festa é na verdade resultado concreto e cristalizado da cristianização dos ritos pagãos ao longo de pelo menos dois milênios, sendo aqui preservados pelo seus verdadeiros herdeiros, os Caboclos de Olivença. Ao longo de tão prolongado período, a festa passou por transformações e é acompanhada por grande multidão, que canta músicas características, de origem cultural mestiça aos sons de tambores. Hoje, tornou-se a principal festa folclórica da região, sendo transformada numa comemoração profana, cuja tendência mais recente é a progressiva carnavalização.


Nesta edição de 2013 o que mais chamou a atenção foi o número reduzido de público durante a fase cultural e sagrada da festa, sexta e sábado respectivamente. Para o antropólogo, que acompanhou todo o evento, este dado revela um abandono dos traços folclóricos e religioso da festa. "As dificuldades de encontrar voluntários, a pequena participação e audiência nos eventos que antecedem o período da Puxada, deixam evidente a decadência da parte folclórica e sagrada bem como uma tendência crescente de descaracterização desta festa tradicional" afirma o antropólogo, que também denuncia a urgente necessidade de manter a tradição, para que ao tempo e as pressões econômicas não apaguem a memória, a tradição, a fé e a cultura Cabocla de Olivença. “Porque sem organização, não há tradição que resista às transformações culturais", garante o antropólogo.


Fotos – Cristiano Cruz

Ilhéus – BA

14.01.2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário