Postagem em destaque

AGU PEDE REJEIÇÃO DE AÇÃO POR DANO MORAL MOVIDA POR LULA

OPERAÇÃO LAVA JATO AGU PEDE REJEIÇÃO DE AÇÃO POR DANO MORAL MOVIDA POR LULA CONTRA DELEGADO DA PF NA AÇÃO O EX-PRESIDENTE PEDE R$ 100 ...

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

DayHORC é referência para tratamento de Baixa Visão no Sul da Bahia


O Ministério da Saúde está investindo no diagnóstico e tratamento da Baixa Visão através do programa Viver Sem Limites, tendo realizado recentemente um Workshop de capacitação profissional para médicos, técnicos e gestores de saúde. Em Itabuna, o DayHORC disponibiliza diagnóstico, tratamento e acompanhamento especializado para Baixa Visão a partir da atuação profissional da oftalmopediatra, especializada em Baixa Visão, Luciana Pinto de Carvalho (CRM 13714). Em muitos casos, a médica recebe pacientes referenciados por outros médicos, clínicas e hospitais da região.

Diferentemente do que se imagina, a Baixa Visão não é patologia, mas sim um quadro em que o paciente apresenta um nível de visão igual ou pior que 20/60 ou campo visual igual ou pior que 20 graus no seu melhor olho, com a sua melhor correção. “Ou seja, a pessoa com Baixa Visão é aquela que, mesmo após tratamentos ou correção óptica, apresenta diminuição considerável de sua função visual”, explicou a médica oftalmologista, Luciana Pinto.

O diagnóstico de Baixa Visão geralmente ocorre ainda nos consultórios ou em avaliações clínicas de rotina dentro das Unidades de Saúde. Habitualmente, o diagnóstico é concluído junto ao oftalmologista especializado em Baixa Visão, responsável, portanto, pelo acompanhamento e prescrição de recursos ópticos. Para este paciente, pode ser orientado o uso de óculos especiais, lupas, sistemas telescópicos, próteses visuais, além de auxílios como bengalas e suportes para mobiliário.

“O oftalmologista é o responsável por prescrever estes auxílios, no entanto, o treinamento para adaptação é normalmente realizado por pedagogos e terapeutas especializados”, relatou Luciana Pinto.
Sobre o Workshop de Baixa Visão, ocorrido no início de deste mês de dezembro em Recife (PE), o DayHORC, através da Fundação Regina Cunha, foi o serviço escolhido pelo Ministério da Saúde para realizar o treinamento. A especialista Luciana Pinto foi a oftalmologista que integrou a ação, chamada, inclusive, durante o treinamento, para ministrar aulas práticas no Ambulatório utilizado no workshop.


Maior incidência

A Baixa Visão pode atingir pacientes de todas as idades, podendo ser congênita ou adquirida. “O bebê pode nascer com baixa visão ou mesmo o idoso ser diagnosticado com Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)”, explicou a oftalmologista.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, no Brasil, a prevalência de cegueira na população é de 0,3% e de Baixa Visão, 1,7%. Para o Ministério da Saúde, a maior parte da população considerada cega tem, na verdade, Baixa Visão e é, a princípio, capaz de usar sua visão para realizar tarefas. Para cada pessoa cega há, em média, 3 ou 4 com Baixa Visão. Apesar de não haver um público-alvo, a prevalência de doenças oculares que levam ao comprometimento da visão cresce com o avanço da idade. As taxas maiores de cegueira e Baixa Visão são observadas com o aumento da vida média da população.


Por - Jack Simões

Nenhum comentário:

Postar um comentário